Síndrome do Intestino Irritável, o que a Osteopatia pode fazer?

       

       A Síndrome do Intestino Irritável (SII) é a doença funcional mais frequente dentre os problemas funcionais do trato gastrointestinal. Trata-se de uma alteração da motilidade do tubo digestivo caracterizada clinicamente por anormalidades do hábito intestinal (constipação e/ou diarréia) e dor abdominal, na ausência de patologia orgânica demonstrável.

Embora a terminologia (SII) sugira alterações limitadas aos intestinos, todo o trato digestivo pode ser afetado do ponto de vista motor.

Recentemente, numa reunião internacional em Roma, estabeleceu-se um consenso para o diagnóstico da SII, conhecido como Critérios de Roma. São eles:

  1. presença em pelo menos 12 semanas (não necessariamente consecutivas), durante os últimos 12 meses, de desconforto ou dor abdominal com duas de três características: alívio com a defecação; início associado à alteração na freqüência das evacuações (mais de três vezes/dia ou menos de três vezes/semana); início associado à alteração na forma (aparência) das fezes (fezes endurecidas, fragmentadas, em “cíbalos” ou “caprinas” e fezes pastosas e/ou líquidas).

2.  vários sinais e sintomas foram apontados como elementos de reforço ao diagnóstico da SII: esforço excessivo durante a defecação; urgência para defecar; sensação de evacuação incompleta; eliminação de muco durante a evacuação; sensação de plenitude ou distensão abdominal.

Os pacientes com SII com predomínio de diarréia apresentam mais de três evacuações/dia, fezes líquidas e/ou pastosas e necessidade urgente de defecar. Já os com SII com predomínio de obstipação (ou constipação) evacuam menos de três vezes/semana, as fezes são duras e fragmentadas (fezes em “cíbalos” ou “caprinas”), e realizam esforço excessivo para evacuar (evacuações laboriosas).


Quando relacionamos os problemas de funcionalidade com o raciocínio osteopático podemos perceber que a Osteopatia pode atuar de várias maneiras auxiliando esse paciente. E o que diz a Prática Baseada em Evidências?


Em um estudo realizado com osteopatia em 2012, foi percebido que os pacientes com essa afecção tem um tendência maior parta a utilização de tratamentos não convencionais e isso inclui a abordagem holística da osteopatia.

Para a análise dos efeitos foi realizado um estudo piloto randomizado placebo-controlado. Foram selecionados prospectivamente 30 pacientes com SII cumprindo os critérios de Roma, em uma proporção 01/02 para receber ou osteopatia ou osteopatia sham (23F, 7M, idade 45,8 ± 16,4 anos). 

Duas sessões separadas foram realizadas em um intervalo de 7 dias (dias 0 e 7) com mais de 3 semanas de follow-up (dia 28). O resultado primário incluiu pelo menos uma melhoria de 25% no escore de gravidade SII no dia 7. Os resultados secundários incluíram o impacto da SII na qualidade de vida, os fatores psicológicos e hábitos intestinais.

A gravidade da SII diminuiu em ambos os grupos nos dias 7 e 28. No dia 7, esta diminuição foi significativamente mais acentuada nos pacientes que receberam a osteopatia em comparação com aqueles que receberam o procedimento sham (-32,2 ± 29,1 vs 16,0 ± -9,0, diferença média normalizada para a linha de base P = 0,01). Esta diferença não persistiu no dia 28 (P = 0,4). Ambos os escores de ansiedade e depressão diminuíram, sem diferença entre os grupos. Frequência das fezes e consistência não foi significativamente modificado.

Em um outro estudo de 2014, foi associado os aspectos nutricionais e o tratamento osteopático para a SII. 

Este artigo descreve a SII em relação às doenças semelhantes, apresenta o pano de fundo para a osteopatia, e propõe um tratamento osteopático manipulativo (OMT) para gerenciar SII. Na SII,  a OMT incide sobre os sistemas nervoso e circulatório, coluna vertebral, vísceras e torácica e diafragma pélvico, a fim de restaurar o equilíbrio homeostático, normalizar a atividade autonômica no intestino, promover o fluxo linfático, e tratar a disfunção somática. 

O sistema linfático e a congestão venosa são tratados pelas técnicas da bombeio linfático e estimulação de pontos reflexos de Chapman. 

Um plano de tratamento simples projetado para diminuir a dor crônica e inflamação em SII é apresentado com base na literatura baseada em evidências atual. Desde próprio alimento, alergias alimentares e intolerância poderia contribuir para o início dos sintomas ou até mesmo causar SII, este artigo também fornece modificações dietéticas a serem consideradas para os pacientes ou seja, mais uma vez devemos ter uma abordagem conforme Dr Still nos ensinou em seus princípios da Osteopatia!

E pra fecharmos esse assunto com chave de ouro, encontramos uma revisão sistemática de 2015, que aborda a Osteopatia no tratamento de doenças inflamatórias crônicas (DIC).

Esta avaliação incluiu qualquer tipo de estudo experimental que envolveu sub-projectos com DIC comparando OMT com qualquer tipo de procedimento de controle. A pesquisa foi realizada em oito bases de dados em janeiro 2014 usando uma abordagem de busca na literatura pragmática. 

Dois avaliadores independentes realizaram a seleção dos estudos e extração de dados para cada estudo. O risco de viés foi avaliado de acordo com os métodos Cochrane. A heterogeneidade foi avaliada e meta-análise realizada, sempre que possível.

Um total de 10 estudos preencheram os critérios de inclusão para esta revisão num total de  386 indivíduos. A pesquisa identificou seis ensaios clínicos randomizados, um estudo de laboratório, um estudo piloto cross-over, um estudo observacional e um estudo piloto de caso-controle. 

Os resultados sugerem um efeito potencial da medicina osteopática em pacientes com patologias médicas associadas com DIC (em particular Doerça Pulmonar Obstrutiva Crônica  (DPOC), síndrome do intestino irritável, asma e doença arterial periférica) comparados a nenhum tratamento ou terapia placebo embora os dados permaneçam ainda desconhecidos. 

A presente revisão sistemática mostrou dados inconsistentes sobre o efeito de OMT no tratamento de condições médicas associadas com o DIC potencialmente, no entanto, a OMT parece ser uma abordagem segura. Mais estudos mais criteriosos são necessários para determinar a direção e magnitude do efeito da OMT e generalizar resultados favoráveis.

O que pode se concluir é que a Osteopatia melhora a gravidade dos sintomas de SII, apesar dos dados inconsistentes analisados e tem um grande impacto na qualidade de vida por ser um tratamento sem efeitos colaterais. A Osteopatia deve, portanto, ser considerados para pesquisas futuras como uma medicina complementar e eficaz no tratamento dos sintomas da SII.

Porém, deve se realizar maiores estudos criteriosos para verificação dos efeitos do tratamento da SII por se tratar de um problema de saúde dos dias atuais.

E você como ajuda seus pacientes com Síndrome do Intestino Irritável? E agora, melhorou sua conduta?

Escrito por

Leonardo Nascimento, Ft Msc ETM DO
Fisioterapeuta pela UNICID/SP
Pós graduado em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela UNICID/SP
Especialista em Terapia Manual e Postural pela Cesumar/PR
Especialista em Osteopatia pela Universidade Castelo Branco/RJ
Osteopata Certificado pela Escola de Madrid
Professor e Coordenador da Escola de Madrid
Mestre e Doutorando em Ciências da Reabilitação – USP
Diplomado em Osteopatia pela SEFO (Scientific European Federation Osteopaths)


É um estudioso da área de palpação e sensibilidade manual tátil no Laboratório de Fisioterapia e Comportamento na Universidade de São Paulo – USP


Referências

Florance BM1, FRIN G, R Dainese, Nebot-vivinus MH, Marine Barjoan E, Marjoux S, Laurens JP, Payrouse JL, Hébuterne X, Piche T. Osteopathy improves the severity of irritable bowel syndrome: a pilot randomized sham-controlled study. Eur J Gastroenterol Hepatol. Agosto 2012; 24 (8): 944-9.


Collebrusco L, Lombardini R. What about OMT and nutrition for managing the irritable bowel syndrome? An overview and treatment plan. Explore (NY). 2014 Sep-Oct;10(5):309-18. 


Luca Cicchitti, Marta Martelli, and Francesco Cerritelli,Fulvio d’Acquisto. Chronic Inflammatory Disease and Osteopathy: A Systematic Review PLoS One. 2015; 10(3): e0121327.Published online 2015 Mar 17.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?