Manipulação lombar: quais os efeitos?

A dor lombar, com suas diversas causas, é certamente o problema mais frequentemente tratado nos consultórios de Osteopatas e terapeutas manuais. Muitos estudos verificaram que a dor lombar afeta o controle neuromuscular local, sendo que as análises feitas com eletromiografia (EMG) mostram a ausência do chamado fenômeno de flexão-relaxamento nos músculos paravertebrais desses indivíduos. 
Na ausência de dor lombar, os músculos paravertebrais lombares não apresentam atividade eletromiográfica quando os indivíduos permanecem com o tronco flexionado em bipedestação. Ou seja, quando a dor lombar está presente esses músculos da coluna lombar mantém um grau de contração constante quando o tronco se mantém flexionado, ao contrário do relaxamento que ocorre na ausência de dor. Além disso, a atividade eletromiográfica nas fases de flexão e de extensão do tronco é menor quando comparada com indivíduos assintomáticos. 
Os objetivos desse estudo foram analisar as respostas imediatas de uma manipulação com thrust no segmento L4-L5: 
  • Na atividade EMG dos músculos paravertebrais analisando o fenômeno de flexão-relaxamento em suas 3 etapas (flexão, flexão total e extensão),  
  • Na amplitude de flexão do tronco analisando a distância dedos-solo,
  • Comparar as resposta obtidas nos músculos paravertebrais do lado direito e esquerdo da coluna lombar.
Quarenta indivíduos com dor lombar crônica foram divididos em dois grupos: controle (20) e manipulado (20).  Todos foram submetidos à análise eletromiográfica dos músculos paravertebrais lombares, e em seguida o grupo manipulado recebeu uma manipulação com thrust (lombar-roll) no segmento L4-L5. O grupo controle foi apenas posicionado da mesma forma que na manipulação, porém sem a aplicação do impulso manipulativo. Logo em seguida foi refeita a análise eletromiográfica nos dois grupos.
A tabela abaixo mostra os valores obtidos na análise EMG de cada fase do teste (flexão, relaxamento e extensão) nos 2 grupos. É possível observar que no grupo manipulado ocorreu redução estatisticamente significativa na atividade EMG somente na fase estática de relaxamento (flexão total do tronco). As outras etapas  dinâmicas de flexão e extensão não foram alteradas de forma significativa. Outro achado interessante foi que a atividade eletromiográfica teve maior redução nos músculos do lado esquerdo, talvez pelo fato que o ato manipulativo focou a decoaptação da faceta articular vertebral desse lado.
O estudo também demonstrou que esse tipo de manipulação aumenta a amplitude de movimento de flexão de tronco em indivíduos com dor lombar.



Foi possível concluir com esse estudo que uma manipulação vertebral lombar em alta velocidade provoca inibição imediata da atividade muscular paravertebral em indivíduos com dor lombar e também aumento da amplitude de flexão do tronco.  Uma das principais limitações da pesquisa foi a necessidade de analisar as respostas a médio e longo prazo. Sugere-se que sejam realizados outros trabalhos com esse intuito e também sejam estudadas as respostas de outras técnicas manipulativas na população com dor lombar. 

Artigo disponível em - http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20447857

      Nossos agradecimentos ao autor MSc. Eduardo Bicalho D.O. pela colaboração com o nosso blog!

Comentários

  1. Estudo muito bacana. Seria legal se colocasse a tabela com os dados.
    Forte abraço e mais uma vez parabéns pela iniciativa.
    Douglas Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colocados!! Desculpem, estávamos com dificuldade em colocar a tabela!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.