EIPS e a confiabilidade de sua palpação



Quando avaliamos um paciente, um dos parâmetros mais importantes é a avaliação da pelve e para isso utilizamos duas referências: espinha ilíaca ântero superior (EIAS) e espinha ilíaca póstero inferior (EIPS). Um procedimento palpatório deve começar sempre por um ponto fixo e no caso da pelve anteriormente, temos a EIAS e, posteriormente, EIPS.

Deve se lembrar que a localização da EIPS é um ponto importante para a avaliação de uma torção pélvica, desequilíbrio muito comum e/ou ainda, realizar um Stork test (esse é exatamente igual ao teste de Gillet mas, de acordo com a literatura científica: o Stork test tem boa confiabilidade, o Gillet não! Estranho né? Já escrevemos sobre isso por aqui!).

A metodologia utilizada foi, como todas as revisões sistemáticas, analisar as bases de dados eletrônicas e pesquisas secundárias para o levantamento de artigos que satisfizessem os critérios de inclusão do estudo.

Os critérios de inclusão de um artigo nesta revisão foram: confiabilidade  intraexaminadores ou interexaminadores da palpação estática do EIPS(s) e foi publicado em uma revista revista idioma Inglês indexada. Confiabilidade poderia referir-se a avaliar a localização de uma única EIPS, ou para avaliar a simetria bilateral do EIPSs no eixo superior-inferior (isto é, avaliar se uma EIPS foi caudal em relação a outra).

Artigos de revisão e estudos de validação relacionados com a palpação da EIPS foram excluídos, assim como os artigos com outras referências palpatórias além de  EIPS marcos pélvicos. Também foram excluídos teses escritas relacionadas com a obtenção de uma licenciatura em um programa acadêmico.

Bases de dados consultadas incluídos PubMed, ICL, CINAHL, Amed, Osteopathic Research Web, OstMed e MANTIS. Depois de pesquisar esses bancos de dados biomédicos, foi complementada a pesquisa utilizando o buscador de pesquisa global do Google.

Cada um dos artigos incluídos foi classificado pela a qualidade usando a Avaliação da qualidade dos estudos de confiabilidade (QAREL) instrument. Estes artigos foram classificados para a qualidade por dois revisores usando o  QAREL; divergências entre os revisores foram resolvidas por chegar a um consenso na sequência da discussão. QAREL índices de qualidade índice variou de 2 a 10, média de 5,1.



A pesquisa identificou 13 artigos, um julgado de alta qualidade, satisfazendo totalmente os critérios de inclusão. A confiabilidade intraexaminadores excedeu  a interexaminadores no geral. Entre 8 estudos que relataram acordo interexaminadores usando kappa, significa κ = 0,27 (ajustado para o tamanho da amostra).


O artigo tem uma conclusão que os métodos atuais de palpação para assimetria EIPS não resultam em níveis de confiabilidade interexaminadores que possam servir de apoio para a avaliação e logo, tem pouca utilidade clínica.

Mais um artigo de revisão sistemática jogando contra a palpação e por isso deixaremos uma pergunta para ser respondida em sua próxima aula prática: você e seus colegas conseguem palpar e comparar a altura das EIPS?

Sugestão doe exercício: Coloque um paciente deitado e outro em pé - esses serão os modelos a serem avaliados (certifique se de que os pacientes não tenham nenhum antecedente que possa interferir nas referências palpatórias da pelve antes). Depois, você e mais alguns colegas pegam um papel e escrevem paciente 1 e paciente 2 e sem seguida, sem que um avaliador veja a avaliação do outro, realizem a palpação das EIPS bilateralmente e comparativamente e anotem no papel. Ao final, quando todos tiverem avaliado os dois pacientes, repitam a avaliação no verso da folha, comparem os resultados de vocês!

Gostaríamos de saber quais foram os resultados que vocês encontraram, deixe nos comentários de nossa página do FB ou por aqui mesmo!



Por Leonardo Nascimento



Bibliografia

 Cooperstein, R; Hickey, M. The reliability of palpating the posterior superior iliac spine: a systematic review. J Can Chiropr Assoc 60 (1): 36-46, 2016



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais