Conservative treatment of carpal tunnel syndrome: Comparison between laser therapy and fascial manipulation

Conservative treatment of carpal tunnel syndrome: Comparison between laser therapy and fascial manipulation

Elena Pratelli, MD a, Marco Pintucci, PT b, Pina Cultrera, MD c,
Enrico Baldini, MD d, Antonio Stecco, MD PhD e,*,
Antonio Petroncelli, MD a, Pietro Pasquetti, MD a

a Agenzia recupero e riabilitazione, University of Careggi, Florence, Italy
b Institution of Rehabilitation, Rede de Lucy Montoro, San Paulo, Brazil
c Azienda Socio Locale 10, Florence, Italy
d Centro di Reabilitazione, Florence, Italy
e Department of Internal Medicine, University of Padua, Padua, Italy

RESUMO

A etiopatogenia da síndrome do túnel do carpo (CTS) é multifatorial e a maioria dos casos são classificados como idiopáticos (Thurston 2013). Um ensaio controlado randomizado foi realizado para comparar a eficácia da Manipulação Fascial (FM) e da Terapia com Laser de Nível Baixo (LLLT) para CTS. Este estudo prospectivo incluiu 42 pacientes (70 mãos com sintomas) com clínica e diagnóstico eletrononeuromiográfico de CTS.

Os pacientes foram aleatoriamente designados para receber várias sessões de FM ou múltiplas sessões de LLLT. O Visual Analogic Scale (VAS) e questionário do túnel do carpo de Boston (BCTQ) foram realizados na linha de base, fim do tratamento e depois de três meses.

O grupo que recebeu FM mostrou uma redução significativa na percepção subjetiva da dor e uma função aumentada avaliada pelo BCTQ no final do tratamento e acompanhamento. O grupo que recebeu LLLT mostrou uma melhora no BCTQ no final do tratamento, mas a o nível de melhoria não foi sustentado no seguimento de três meses. FM é uma alternativa válida tratamento para CTS.

TABELA DOS RESULTADOS





QUAIS OS LOCAIS DE APLICAÇÃO DA TÉCNICA



VEJA AQUI A DISCUSSÃO DO ESTUDO:


Este estudo apoia a conclusão de que FM é mais eficaz Do que LLLT no tratamento conservador dos pacientes Afetado pela CTS. Os pacientes (Grupo A), tratados com FM Mostrou melhoria do BCTQ e VAS que foi mantido No seguimento (T2) com um alto nível de significância (P <0,001). O sucesso da FM no CTS no nosso estudo também apoia a Teoria da continuidade miofascial entre o flexor carpi Retináculo, aponeurose palmar e antebraquial e Fascia braquial (Stecco et al., 2010). Esta continuidade fascial Pode explicar por que um tratamento proximal sobre a fáscia braquial pode afetar a fascia antebraquial, bem como a Retináculo flexor de carpi. Além disso, Piyawinijwong Et al. (2011) relataram dois casos anatômicos de aprisionamento do nervo mediano relacionado ao espessamento da fáscia braquial E da aponeurose bicipital que os autores observam como Possíveis causas da síndrome do túnel do carpo. Assumimos que na patogênese da síndrome do túnel do carpo repetitivo o micro-trauma e a atividade de uso excessivo causam uma transformação Da matriz extracelular da fáscia profunda de um sol a um Gel em várias regiões do braço e antebraço (Stecco Et al., 2013). Essa transformação causaria uma redução de adaptabilidade fascial e deslizamento, resultando em uma anormal estresse para os septos intramusculares. Este aumento de viscosidade da matriz extracelular pode envolver também o epineuro do nervo mediano com sua estrutura telescópica (Lundborg E Rydevik, 1973), o que, por sua vez, criaria uma Comprometimento do deslizamento intrafascicular.

Perda do deslizamento intrafascicular foi mostrado para criar uma lesão alongada interna (Abe et al., 2005; Lundborg e Dahlin, 1996) que poderiam alterar os sinais aferentes. A avaliação eletrononetromiográfica padrão pode demonstrar uma diminuição na velocidade de transmissão do sinal da parte proximal do antebraço até a mão, mas não é capaz de discriminar a localização exata do aprisionamento. Infelizmente, avaliações segmentares múltiplas de transmissão do nervo não é um procedimento rotineiro. Por isso, o aprisionamento do nervo pode ocorrer em outros áreas, longe das regiões mais comuns. Nakajima et al. (2009) demonstraram um bloqueio da condução do nervo ulnar em o septo intermuscular medial, 7.5 e10 cm proximal ao epicôndilo medial. Nós especulamos que muitos casos de CTS São uma conseqüência de múltiplos locais de maior viscosidade da matriz extracelular e, como conseqüência, da fáscia e epineuro. Assumimos que o grupo A obteve melhor Resultado graças aos múltiplos locais de tratamento, com base em um exame clínico preciso. Este estudo tem limitações devido à falta de longo prazo datas de acompanhamento e pós-tratamento de avaliação elétroneuromiográfico. O duplo cego foi impossível dado o uso de diferentes modalidades de tratamentos.


BOA OPÇÃO TERAPÊUTICA.

PROF FELLIPE AMATUZZI TEIXEIRA, FT, DO, MsC, PhD

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.