Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

As alterações de modic são alterações patológicas nos ossos da coluna vertebral, as vértebras. Estas alterações estão situadas tanto no corpo das vértebras e na placa da extremidade do disco vizinho.

Em 20% dos pacientes que pode identificar uma razão anatómica para a dor, tal como uma hérnia do disco lombar ou estenose vertebral.

As alterações de Modic são caracterizados em MRI (ressonância magnética). As 3 classificações Modic foram primeiramente descritas e definidas pelo Dr. Michael Modic em 1988.

            Em Modic tipo 1 há desenvolvimento vascular no corpo vertebral, com achados de inflamação e edema, mas nenhum dano ou de mudanças no trabeculado medular.
No  Modic tipo 2, temos alterações na medula óssea, com substituição gordurosa na medula. Com Modic tipo 2, a medula é substituída por gordura visceral, o mesmo tipo de gordura temos nas nossas quadris e abdomen. O Modic  tipo 3 são menos comuns, com fraturas do osso trabecular, juntamente com encurtamento trabecular e alargamento.

Muitos estudos  examinaram a relação entre Modic  nas vértebras na coluna vertebral e dor nas costas. Há uma correlação muito forte entre ter mudanças Modic, especialmente Modic muda tipo 1, e sofrendo de dor nas costas.

Estudos têm demonstrado que os pacientes com alterações Modic são bastante diferentes de outros pacientes com dor lombar normais. Por exemplo 75 a 80% dos pacientes que sofrem de alterações Modic tem dor constante, o que significa que eles nunca terão um momento do  livre de dor, do dia ou da noite. Cerca de 75% dos pacientes também sofre de dor durante a noite, e muitos acordam durante a noite porque é doloroso para virar na cama.

            O que podemos fazer para ajudar nossos pacientes com essas alterações?

Para essa resposta foi realizado um estudo com o objetivo de determinar se existe uma diferença nos resultados entre pacientes com hérnias de disco lombares com Modic Positivo e Negativo (LDH + ou -) tratados com a terapia manipulativa espinhal (SMT).

Este estudo prospectivo  incluiu 72 MRI que confirmaram pacientes sintomáticos LDH tratados com SMT.

A escala de classificação numérica (NRS) Dor e Oswestry deficiência foram coletados no início do estudo. NRS, paciente impressão global de mudança para avaliar a melhoria global e dados de Oswestry foram coletadas em 2 semanas, 1, 3, 6 meses e 1 ano. Aqui percebe se a preocupação dos autores com uma melhora efetiva em longo prazo, ponto muito importante pois, vários estudos demonstraram resultados em curto prazo que não se mantinham por mais de alguns dias!

Essas ferramentas utilizadas para mensuração dos resultados são as mais comuns quando avaliamos desfechos como lombalgia ou seja, aqui percebe se uma preocupação com a metodologia do estudo.

Os exames de ressonância magnética foram analisadas para  Modic  presente / ausente e classificados como Modic I ou II quando presente.

Foi utilizado um teste estatístico que se chama qui-quadrado para comparar a proporção de pacientes que relataram "melhoria" relevante entre pacientes com e sem alterações Modic e aqueles com Modic I e. II.

NRS e pontuação Oswestry foram comparadas em escores de base e de mudança em todos os pontos de tempo de acompanhamento, utilizando o teste t de Student não paramétrico.

Nesse ponto percebe se também a seriedade do estudo com relação aos testes estatísticos utilizados!

Curioso com os resultados???

Um total de 76,5% dos pacientes positivos Modic relatadaram "melhoria" em comparação com 53,3% dos pacientes negativos Modic (P = 0,09) em 2 semanas ou seja, pacientes com alterações de Modic parecem percebem uma melhora maior quando submetidos ao tratamento manipulativo e aqui podemos pensar em fatores vasculares pós manipulação.

Os pacientes positivos Modic apresentaram reduções maiores na perna dor (P = 0,02) e dezenas de deficiência (p = 0,012) em 2 semanas.

Os pacientes positivos Modic tiveram maiores reduções nos níveis de deficiência a 3 (P = 0,049) e 6 meses (p = 0,001).

Uma diferença significativa (P = 0,001) entre os pacientes com Modic I vs. Modic II foi encontrada em 1 ano, onde Modic II pacientes fizeram significativamente melhor.

Com essas informações, quando você receber seu paciente com uma ressonância magnética demonstrando essas alterações, isso deve ser levado em consideração na tomada de decisão clínica como fator preditivo de melhora e ainda, da escolha de qual recurso terapêutico utilizar.

Os pacientes positivos Modic relataram níveis mais elevados e clinicamente relevantes de melhoria de 2 semanas, 3 e 6 meses, em comparação aos pacientes negativos Modic.

Porém em 1 ano pacientes Modic I foram significativamente menos propensos a relatar "melhoria", sugerindo que eles podem estar propensos a recaída.

E com esse texto você consegue definir com mais exatidão quando e pra quem servem as manipulações de coluna vertebral?

Bibliografia

Modic MT, Steinberg PM, Ross JS, et al. "Degenerative disk disease: assessment of changes in vertebral body marrow with MR imaging". 1988. Radiology 166 (1): 193–9.

Modic MT, Masaryk TJ, Ross JS, Carter JR. "Imaging af degererative disk disease". 1988 Radiology 168: 177–86.

Albert HB. "Modic changes, possible causes and relation to low back pain. 2008. Med Hypotheses 70 (2): 361–8.

Albert HB. "Modic changes following lumbar disc herniation.2007. Eur Spine J. 16 (7): 977–82.

Annen M, Peterson C, Leemann S, Schmid C, Anklin B, Humphreys BK. Comparison of Outcomes in MRI Confirmed Lumbar Disc Herniation Patients With and Without Modic Changes Treated With High Velocity, Low Amplitude Spinal Manipulation.
J Manipulative Physiol Ther. 2016 Apr 1.


Escrito por

Leonardo Nascimento, Ft Msc ETM DO
Fisioterapeuta pela UNICID/SP
Pós graduado em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela UNICID/SP
Especialista em Terapia Manual e Postural pela Cesumar/PR
Especialista em Osteopatia pela Universidade Castelo Branco/RJ
Osteopata Certificado pela Escola de Madrid
Professor e Coordenador da Escola de Madrid
Mestre e Doutorando em Ciências da Reabilitação – USP
Diplomado em Osteopatia pela SEFO (Scientific European Federation Osteopaths)



É um estudioso da área de palpação e sensibilidade manual tátil no Laboratório de Fisioterapia e Comportamento na Universidade de São Paulo – USP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?