Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Mais uma vez temos o assunto manipulações cervicais e risco de problemas na artéria vertebral. No mês de setembro tivemos a publicação do artigo: Cervical artery dissection related to chiropractic manipulation: One institution's experience.


O objetivo deste estudo foi determinar a freqüência dos pacientes atendidos em uma única instituição que foram diagnosticados com uma dissecção vascular cervical relacionada à manipulação cervical por quiropráticos.

O período abordado foi entre abril de 2008 e março de 2012 e foram identificados casos através de uma revisão retrospectiva dos pacientes observados, que tiveram diagnóstico de dissecção da artéria cervical após uma recente manipulação quiroprática.

Os estudos relevantes de imagem foram revisados ​​por um neurorradiologista certificado para confirmar os achados de uma dissecção e derrame da artéria vertebral. Foram realizadas também entrevistas telefônicas para verificar a presença de sintomas residuais nos pacientes afetados.

Dos 141 pacientes com dissecção da artéria cervical, 12 apresentaram manipulação cervical documentada antes do início dos sintomas que levaram à apresentação médica. Os 12 pacientes apresentaram no total 16 dissecções da artéria cervical. Todos os 12 pacientes desenvolveram sintomas de AVC agudo. Todos os traços foram confirmados com ressonância magnética ou tomografia computadorizada. Foram obtidas informações de acompanhamento em 9 pacientes, 8 dos quais apresentavam sintomas residuais e um dos quais morreu como resultado de sua lesão.

Nessa série de casos, 12 pacientes com dissecção (s) de artéria cervical recém-diagnosticada tiveram manipulação cervical quiroprática recente. Os pacientes que estão considerando a manipulação cervical da quiropraxia devem ser informados sobre o risco potencial e ser aconselhados a buscar atendimento médico imediato se desenvolverem sintomas.

Faremos aqui um parêntesis para definir uma coisa: somos um blog de osteopatia porém, as manobras de manipulações quiropráticas, osteopáticas e até de fisioterapia manipulativa apresentam parâmetros iguais ou muito próximos porém, cada um com seu raciocínio diagnóstico específico e também temos uma diferença importante na velocidade de execução sendo que a manipulação quiroprática é a mais rápida.

Porém, um estudo muito interessante demonstrou que acidentes de veículos a partir de 10 km/h também podem provocar movimentos rápidos e bruscos na coluna cervical, chicote cervical e quem nunca teve uma colisão veicular a essa velocidade? Ou seja, a relação de causa e consequência da manipulação pode estar mascarada em outros possíveis fatores em indivíduos com a saúde da artéria vertebral não saudável.

O paper examinou as semelhanças entre a terapia manipulativa de quiropraxia cervical e o chicote, e suas respectivas relações com a dissecção da artéria vertebral.Foram analisados um total de 99 artigos relevantes e coletadas referências adicionais de citações incorporadas nos artigos incluídos.

Tanto a manipulação cervical quanto os eventos de colisão de veículos automóveis aplicam cargas na coluna vertebral rapidamente. Enquanto as cargas de manipulação do pescoço são mais lentas e os deslocamentos menores, eles podem atingir amplitudes de pico no esforço máximo comparável aos observados em experimentos de colisão de baixa velocidade.

Em contraste com os relatos de que a artéria vertebral experimenta alongamentos superiores ao seu intervalo fisiológico em até 9,0 mm durante o chicote simulado, o ocorrido durante a manipulação cervical foram aproximadamente 1/9 daqueles necessários para falhas mecânicas, comparáveis ​​às forças encontradas.

Além disso, anormalidades duradouras da velocidade do fluxo sangüíneo dentro da artéria vertebral foram relatadas em pacientes que seguiram lesões comuns do chicote, enquanto que não foram observadas alterações significativas na velocidade do fluxo máximo da artéria vertebral após a manipulação cervical quiroprática.

A causa perceptível de casos relatados de dissecção da artéria cervical é mais freqüentemente atribuída aos procedimentos de terapia manipulativa quiroprática do que às lesões relacionadas à colisão de veículos motorizados, mesmo que as evidências biomecânicas comparativas tornem improvável tal causalidade.

A evidência direta sugere que a artéria vertebral saudável não está em risco de procedimentos de manipulação cervical corretamente realizados.

Então com esse raciocínio apresentado devemos ter muita atenção ao realizar os procedimentos manipulativos na coluna cervical e saber se estamos diante de um paciente com uma artéria vertebral saudável ou não!

Já escrevi sobre isso aqui:


Atualizando a nossa bibliografia, pode se concluir que realmente, a melhor decisão a tomar antes de realizar um tratamento manipulativo da coluna cervical é uma criteriosa avaliação.....alguma novidade?






Por Leonardo Nascimento, Ft Msc ETM DO
Fisioterapeuta pela UNICID/SP
Pós graduado em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela UNICID/SP
Especialista em Terapia Manual e Postural pela Cesumar/PR
Especialista em Osteopatia pela Universidade Castelo Branco/RJ
Osteopata Certificado pela Escola de Madrid
Professor e Coordenador da Escola de Madrid
Mestre e Doutorando em Ciências da Reabilitação – USP
Diplomado em Osteopatia pela SEFO (Scientific European Federation Osteopaths)

É um estudioso da área de palpação e sensibilidade manual tátil no Laboratório de Fisioterapia e Comportamento na Universidade de São Paulo – USP




Bibliografia

Kennell KA, Daghfal MM, Patel SG, DeSanto JR, Waterman GS, Bertino RE.
Cervical artery dissection related to chiropractic manipulation: One institution's experience. J Fam Pract. 2017 Sep;66(9):556-562.


Haneline M, Triano J. Cervical artery dissection. A comparison of highly dynamic mechanisms: manipulation versus motor vehicle collision.J Manipulative Physiol Ther. 2005 Jan;28(1):57-63.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.