Mobilizações articulares da coluna e as alterações de fluxo sanguíneo da pele

            



            No texto de hoje mostraremos uma forma de saber qual a relevância de sua pergunta clínica antes de realizar um ensaio clínico. Esse método mostrado é uma excelente forma de saber qual a melhor metodologia para orientar seu estudo clínico.

            Os índices do fluxo sangüíneo da pele (SBF) foram utilizados para descrever os mecanismos fisiológicos associados à terapia manual da coluna vertebral (SMT).

            Foi realizada uma revisão sistemática para verificar os métodos de coleta de dados, avaliar como os pesquisadores interpretaram as mudanças do SBF e formular recomendações para avançar a pesquisa em terapia manual.

            A revisão bibliográfica verificou os dados publicados até abril de 2014, os artigos foram incluídos se pelo menos 1 medida de resultado fosse mudanças em 1 índice SBF após SMT.

            A pesquisa no banco de dados gerou 344 registros. Dois autores independentes aplicaram os critérios de inclusão. Vinte estudos preencheram os critérios de inclusão.

            Os estudos selecionados utilizaram métodos heterogêneos para avaliar as alterações pós-SMT a curto prazo no SBF, geralmente vasoconstrição, que foi interpretada como um efeito simpaticotônico geral através de mecanismos centrais.

            No entanto, esta conclusão pode ser desafiada pela compreensão atual da atividade nervosa simpática da pele em mecanismos endoteliais locais que estão especificamente controlando o SBF.

            A avaliação das medidas de SBF em tecidos periféricos após SMT pode documentar respostas fisiológicas que estão além da função simpática periférica.

            E um dos pontos interessantes dessa revisão foi que os autores com base no uso atual dos índices de SBF em pesquisas clínicas e fisiológicas, apresentam 14 recomendações para o avanço da pesquisa de medicina manual usando a medida de fluxo laser Doppler. (#ficaadica)

            Os mesmos autores da revisão realizaram no ano seguinte, um ensaio clínico para testar algumas hipóteses encontradas na revisão e essa é uma excelente forma de começar a amadurecer a sua idéia de estudo. (#ficaadicadenovo!)

            O fluxo sanguíneo da pele periférica (SBF) muda durante e após a mobilização da coluna (SM), avaliado com a geometria doppler a laser, pode documentar respostas fisiológicas associadas ao SM.

            Esse estudo avaliou as variações no SBF durante e após a aplicação de uma mobilização articular de coluna (SM) e a influência da pressão sobre o SBF aplicando o mesmo SM padronizado com 3 pressões diferentes.

            O desenho do estudo foi um cross-over design com 4 intervenções em 4 dias diferentes: controle (sem toque) e 3 SMs aplicados rítmicamente em 5%, 40% ou 80% do limiar de pressão da dor (SM simulada, SM de baixa pressão ou SM de alta pressão, respectivamente).

            Participaram trinta e dois indivíduos. O teste respiratório inspiratório (IG) foi o controle positivo de vasoconstrição através da excitação da atividade nervosa simpática da pele (SSNA).

            Cada sessão compreendeu 5 fases: (1) linha de base no final de uma aclimatação de 20 minutos, (2) teste IG, (3) fase pós-IG, (4) Fase SM ou nenhum contato manual para controle e (5) fase pós-SM.

            Uma vasodilatação bilateral igual e significativa ocorreu durante a aplicação de SM simulada unilateral, SM de baixa pressão e SM de alta pressão. A vasodilatação significativa pós-SM persistiu após SM de alta pressão.

            O estudo atual é o primeiro a descrever as alterações bilaterais do SBF periférico ocorrendo durante e 5 min após a aplicação de SM padronizados.

            Nossa vasodilatação pós-SM sugere o envolvimento de mecanismos diferentes do mecanismo excitatório do SNA proposto com medidas de condutância da pele.

            A persistência da vasodilatação pós-SM após apenas SM de alta pressão sugere possíveis mecanismos dependentes da pressão.

            No entanto, são necessárias mais pesquisas para esclarecer nossas descobertas, como sempre!






Por Leonardo Nascimento, Ft Msc DO
Fisioterapeuta
Pós graduado em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela UNICID/SP
Especialista em Terapia Manual e Postural pela Cesumar/PR
Especialista em Osteopatia pela Universidade Castelo Branco/RJ
Osteopata Certificado pela Escola de Madrid
Professor e Coordenador da Escola de Madrid
Mestre e Doutorando em Ciências da Reabilitação – USP
Diplomado em Osteopatia pela SEFO (Scientific European Federation Osteopaths)

É um estudioso da área de palpação e sensibilidade manual tátil no Laboratório de Fisioterapia e Comportamento na Universidade de São Paulo – USP




Bibliografia


Zegarra-Parodi R1, Pazdernik VK2, Roustit M3Park PY4, Degenhardt BF5. Effects of pressure applied during standardized spinal mobilizations on peripheral skin blood flow: A randomised cross-over study.Man Ther. 2016 Feb;21:220-6. doi: 10.1016/j.math.2015.08.008. Epub 2015 Aug 28.

Zegarra-Parodi R1, Park PY2, Heath DM3, Makin IR3, Degenhardt BF4, Roustit M5.Assessment of skin blood flow following spinal manual therapy: a systematic review. Man Ther. 2015 Apr;20(2):228-49. doi: 10.1016/j.math.2014.08.011. Epub 2014 Sep 10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?