Evidence for spinal cord hypersensitivity in chronic pain after whiplash injury and in fibromyalgia

Borut Banica, Steen Petersen-Felixa, Ole K. Andersenb, Bogdan P. Radanovc, P.M. Villigerd, Lars Arendt-Nielsenb, Michele Curatoloa,*

aDivision of Pain Therapy, Department of Anesthesiology, University Hospital of Bern, Inselspital, 3010 Bern, Switzerland bLaboratory for Experimental Pain Research, Center for Sensory-Motor Interaction, University of Aalborg, Aalborg, Denmark cWilhelm Schulthess Clinic, Zurich, Switzerland dDepartment of Rheumatology, University Hospital of Bern, Inselspital, Bern, Switzerland
Received 28 January 2003; received in revised form 28 April 2003; accepted 6 May 2003

Evidência para a hipersensibilidade da medula espinhal na dor crônica após a lesão whiplash e na fibromialgia

Este artigo nos leva a uma reflexão da fisiologia da facilitação medular tanto descrito na osteopatia.


Os Pacientes com dor crônica após lesão de whiplash e pacientes com  fibromialgia podem exibir dor exagerada após a estimulação sensorial. Por causa danos nos tecidos evidente falta habitualmente, esta percepção da dor exagerado poderia ser explicado por hiperexcitabilidade do sistema nervoso central. O reflexo de retirada nociceptiva (um reflexo espinal) pode ser utilizado para estudar o estado de excitabilidade de neurônios da medula espinal.
Foi testada a hipótese de que pacientes com dor crônica pós whiplash e fibromialgia teriam entrada facilitada de estímulos sensoriais (facilitação medular) e assim hipersensibilidade, portanto, da coluna vertebral.

Foram estudados três grupos: DN whiplash = 27; fibromialgia DN = 22 controles saudáveis DN = 29: Foram aplicados dois tipos de estimulação elétrica transcutânea do nervo sural: estímulo único e cinco estímulos repetidos a 2 Hz. A eletromiografia foi registrada a partir do músculo bíceps femoral. A medida principal resultado foi a intensidade da corrente mínima provocando um reflexo espinal (limiar de reflexo).

Limiares de reflexo foram significativamente menores no whiplash em comparação com o grupo controle, depois de tanto único (p=0,024) ou de estímulos repetidos (p=0,035). O mesmo foi observado para o grupo fibromialgia, depois de ambas as modalidades de estimulação (P=0,001 e 0,046, respectivamente).

Nós fornecemos provas para hiperexcitabilidade da medula espinhal em pacientes com dor crônica após a lesão whiplash e em pacientes com fibromialgia. Isso pode causar dor exagerada seguinte baixo nociceptiva intensidade ou a estimulação periférica inócuo. Hipersensibilidade da coluna vertebral pode explicar, pelo menos em parte, da dor, na ausência de danos nos tecidos.

Os autores ainda verificaram as alterações psicológicas. Dá uma olhada na tabela!!!

Será que isso em longo prazo, por conta da junção do sistema somático com o autonômico as alterações vistas nas vísceras?





Forte abraço a todos. Bons Estudos!!!

Fellipe Amatuzzi Teixeira, Ft, Msc, D.O.
Fisioterapeuta
Osteopata pela Escuela de Osteopatia de Madrid - EOM
Especialista em Osteopatia - UCB/RJ
Member of Scientific European Federation Osteopaths - SEFO
Mestre em Educação Física - UCB/DF
Doutorando em Ciências e Tecnologias em Saúde - FCE/UnB

CURRICULUM LATTES 

Prof Fellipe Amatuzzi é osteopata DO pela EOM e professor do curso de Fisioterapia da Universidade de Brasília
É um interessado em estudos relacionando a Osteopatia e o Sistema Nervoso Autonômico por meio da Variabilidade da Frequência Cardíaca



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?