Quais os benefícios em curto e longo prazo da manipulação cervical?

Chiropr Man Therap. 2014; 22: 24. 
Publicado on-line 01 de julho de 2014. doi: 10,1186 / s12998-014-0024-9 
PMCID: PMC4102240 

Does inter-vertebral range of motion increase after spinal manipulation? A prospective cohort study

A manipulação vertebral aumenta a amplitude de movimento após a manipulação da coluna? Um estudo prospectivo de coorte 

Jonathan Branney, Alan C Breen


Dor cervical é uma condição comum que a maioria das pessoas experimenta em algum momento de suas vidas, com as taxas de incidência de auto-relato que vão 15,5-213 por 1000 pessoas-ano e as taxas de prevalência de 12 meses em torno de 30-50%. A condição também pode ser uma importante causa de afastamento do trabalho, diminuição da produtividade e aumento dos custos de cuidados de saúde.

A manipulação da coluna para dor cervical não-específica é utilizada para melhorar a amplitude de movimento cervical, mas é difícil medir ou determinar se esse aumento está relacionado com os resultados clínicos. 

Este estudo comprometeu-se a determinar se flexão e extensão da coluna cervical aumenta após a utilização de manipulação, para explorar as relações entre quaisquer aumentos e os resultados clínicos e comparar palpação com medida objetiva na detecção de segmentos de hipomóveis. 

Este foi um estudo prospectivo de coorte para pacientes com dores cervical inespecíficas. Os pacientes receberam manipulação da coluna cervical e um outro grupo controle de voluntários saudáveis ​​não recebeu, o estudo ocorreu entre agosto de 2011 e abril de 2013. O desfecho primário foi a mudança da amplitude de movimento após um período de tratamento manipulativo para o pescoço.

Trinta pacientes com dor cervical inespecífica e 30 pacientes do grupo controle (saudáveis  e sem dores) ​​pareados por idade e sexo receberam fluoroscopia (QF) e foram submetidos a exames quantitativos para medir a flexão e extensão (C1-C6) na linha de base e após 4 semanas de acompanhamento entre setembro de 2012-13. 

Os pacientes foram submetidos a anamnese e exame padrão por um estudante de último ano de Quiropraxia. Um outro exame de confirmação foi realizada por um professor clínico de Quiropraxia em que a confirmação de adequação para o uso de manipulação do pescoço foi procurado e achados de palpação para o movimento vertebral foram registrados. 

Os pacientes receberam até 12 manipulações no pescoço no período. Alterações detectáveis ​​mínimas ao longo de 4 semanas com 8 atendimentos no máximo foram calculadas a partir de controles.

Oitenta e sete por cento dos pacientes tiveram, pelo menos, uma melhoria de 30%, tal como refletido nas pontuações, no final do período de tratamento. No entanto, não houve relação entre qualquer um dos resultados relatados pelo paciente e mudanças na amplitude de movimento em qualquer nível. Nenhum evento adverso grave ocorreu. 

No entanto, aumentos temporários nos sintomas foram registrados em algum momento durante o período de tratamento em 19/29 pacientes e dores de cabeça após o tratamento foram registrados em 02/29.A maioria destes resolvido dentro de 24 horas e todos foram resolvidas por 96 horas. 

Dois pacientes receberam tratamentos a parte do protocolo de estudo, composto por manipulação à coluna torácica em duas visitas de tratamento. Um paciente recebeu tração da coluna cervical e no músculo técnicas de alongamento em uma visita tratamento. E isso podemos considerar um viés muito grande para o estudo.

Houve uma correlação positiva modesta, mas significativa entre o número de manipulações recebidos e o número de níveis que o aumento no intervalo de 4 semanas. Além disso, uma proporção significativamente maior de níveis aumentaram sua amplitude de movimento em pacientes (13/16) que tiveram pelo menos quatro manipulações do que nos mesmos níveis em controles (23/02). A maioria destes níveis não foram, no entanto hipomóveis na linha de base. Entre os níveis de pacientes que eram hipomóveis na linha de base, foi encontrado um aumento da sua amplitude após o tratamento. 


A constatação de que os segmentos com hipomobilidade no plano sagital não foram significativamente mais prevalentes em pacientes do que em controles, lançando dúvidas sobre a relevância da hipomobilidade no plano sagital em pacientes com dor cervical não-específica relativamente leve. No entanto, isso pode não ser o caso em outras populações e planos de movimento. 

A falta de uma relação entre a melhora sintomática e aumento amplitude de movimento também é de interesse. Claramente outros mecanismos que melhoraram o conforto e a capacidade funcional dos pacientes neste estudo estavam em jogo, incluindo a recuperação espontânea. Outros fatores biológicos importantes podem ter incluído elementos químicos nos padrões articulares e musculares e ativação no segundo. No entanto, este estudo parece excluir hipersensibilidade da dor central como um fator, como este não foi detectado na linha de base em qualquer um dos pacientes. Os fatores psicológicos e sociais e sua influência sobre o comportamento funcional também pode ter tido um papel e pode ter sido influenciado pelas intervenções recebidas. 

Finalmente, é de interesse que havia uma correlação significativa, embora modesta, entre o número de manipulações recebidos e do número de níveis intervertebrais que aumentaram as suas amplitudes de movimento. Dada a magnitude de alguns, parece improvável que esta foi uma descoberta casual. 

Houve um crescente corpo de pesquisa sobre a disfunção relacionada com o movimento da coluna cervical. Muitos investigadores concluíram que a cinemática da coluna cervical anormais, medidos de forma não invasiva, fornece informações de diagnóstico importante na avaliação de pacientes com distúrbios do pescoço. Alcance reduzido de movimento regional, movimento lento, erros de posicionamento, reduzida coordenação do movimento, e velocidades de pico mais baixas têm sido demonstrado em pacientes com dor crônica no pescoço em relação aos controles. Vogt et al. descobriu que amplitude de movimento cervical máxima foi significativamente menor, e a variabilidade do movimento significativamente maior em pacientes com dor crônica no pescoço em comparação com controles pareados por idade saudáveis. 

Embora alguns desses estudos têm identificado o que parecem ser as diferenças movimento importante em pacientes com dores na coluna, os métodos de medição utilizados refletem o movimento regional, e não revelam o que realmente está acontecendo na cercvical ou fornecem evidências sobre a medida em que as diferenças são biomecânica ou comportamental. 


O presente estudo encontrou pouca diferença entre pacientes e controles em termos de amplitude de movimento no início do estudo, quando os participantes foram convidados para chegar ao seu alcance máximo. 


No entanto, como em estudos anteriores, os pacientes tinham significativamente menores amplitudes de movimentos regionais voluntárias do que os controles no início do estudo, o que sugere que um elemento comportamental pode estar em jogo. 


No entanto, é difícil imaginar como o efeito dose-resposta aparente em níveis intervertebrais em pacientes após a manipulação pode ser qualquer coisa diferente do mecânico quando um movimento regional foi definido para o mesmo intervalo no follow-up como na linha de base. 

Assim, a presente pesquisa fornece a primeira evidência sugestiva de efeitos mecânicos de tratamento por manipulação ao nível intervertebral. 


Pode se concluir então que temos outros fatores envolvidos além da amplitude de movimento quando avalia se um paciente com dores cervicais e a longo prazo, comparados com um grupo controle, a amplitude máxima de movimento não sofre alterações significativas.

E você, quais são os parâmetros que você usa em seu consultório para avaliar a necessidade de uma manipulação cervical?





Por Leonardo Nascimento


 Leonardo Nascimento, Ft Msc ETM DO
 Fisioterapeuta pela UNICID/SP
 Pós graduado em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela UNICID/SP
 Especialista em Terapia Manual e Postural pela Cesumar/PR
 Especialista em Osteopatia pela Universidade Castelo Branco/RJ
 Osteopata Certificado pela Escola de Madrid
 Mestre e Doutorando em Ciências da Reabilitação - USP
 Diplomado em Osteopatia pela SEFO (Scientific European Federation Osteopaths)

É um estudioso da área de palpação e sensibilidade manual tátil no Laboratório de Fisioterapia e Comportamento na Universidade de São Paulo - USP



É interessado na área de diagnóstico em Osteopatia e Terapias Manuais e na validação da palpação como ferramenta diagnóstica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.