Alta força versus baixa força de tração lombar em ciática lombar aguda devido a hérnia de disco: um estudo randomizado preliminar

High-Force Versus Low-Force Lumbar Traction in Acute Lumbar Sciatica Due to Disc Herniation: A Preliminary Randomized Trial

Alta força versus baixa força de tração lombar em ciática lombar aguda devido a hérnia de disco: um estudo randomizado preliminar

Marie-Eve Isner-Horobeti, MD, PhD, a, b Stéphane Pascal Dufour, PhD, c Michael Schaeffer, PhD, c Erik Sauleau, MD, PhD, c Philippe Vautravers, MD, a Jehan Lecocq, MD, b and Arnaud Dupeyron, MD, PhD


Objetivo: Este estudo comparou os efeitos de alta força versus tração lombar de baixa força no tratamento de Ciática lombar secundária à herniação discal.


Métodos: Foi realizado um estudo duplo-cego randomizado de 17 sujeitos com ciática lombar aguda secundária a Hérnia de disco foram atribuídos a alta força de tração a 50% do peso corporal (BW, LT50, n = 8) ou baixa força de tração a 10% BW (LT10, n = 9) para 10 sessões em 2 semanas. Dor radicular (escala analógica visual [VAS]), movimento lumbo-pélvico-quadril complexo (Teste dedo-chão), mobilidade da coluna lombar (teste de Schöber-Macrae), compressão da raiz nervosa (teste de perna em linha reta), incapacidade (Escore EIFEL), consumo de drogas e avaliação global de cada paciente foram medidos nos dias 0, 7, 14 e 28.

Resultados: Observaram-se melhorias significativas (P< 0,05) nos grupos LT50 e LT10, respectivamente, entre o dia 0 e dia 14 (fim do tratamento) para VAS (-44% e -36%), escore EIFEL (-43% e -28%) e avaliação geral do paciente (+3,1 e +2,0 pontos). Nessa altura, o LT50 melhorou especificamente no teste de dedo chão (-42%), o teste de aumento de perna em linha reta (+58) e consumo de drogas (-50%). Nenhum efeito significativo de interação (grupo por tempo) foi revelado e o efeito da tração
Tratamento foi independente do nível de medicação. Durante o seguimento de 2 semanas ao dia 28, apenas o grupo LT10 melhorou (P< 0,05) em escores VAS (-52%) e EIFEL (-46%). Durante esse período, não foi identificado nenhum efeito de interação (grupo por tempo) E as respostas observadas foram independentes do nível de medicação.

Conclusões: Para este estudo preliminar, pacientes com ciática lombar aguda secundária à hérnia discal que receberam 2 semanas de tração lombar relataram dor radicular reduzida e comprometimento funcional e bem-estar melhorado independentemente do grupo de força de tração ao qual foram atribuídos. Os efeitos do tratamento de tração foram independentes do Nível de medicação e pareceu ser mantido no seguimento de 2 semanas.







Um forte abraço

Bons estudos.

Fellipe Amatuzzi Teixeira, Ft, Msc, D.O., PhD
Fisioterapeuta
Osteopata pela Escuela de Osteopatia de Madrid - EOM
Especialista em Osteopatia - UCB/RJ
Member of Scientific European Federation Osteopaths - SEFO
Mestre em Educação Física - UCB/DF
Doutor em Ciências e Tecnologias em Saúde - FCE/UnB

CURRICULUM LATTES 

Prof Fellipe Amatuzzi é osteopata DO pela EOM e professor do curso de Fisioterapia da Universidade de Brasília
É um interessado em estudos relacionando respostas vasculares e autonômicas frente ao tratamento osteopático e tratamento da dor crônica atuando no grupo de dor crônica do Hospital Universtário de Brasília – HUB/UnB 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

EIPS e a confiabilidade de sua palpação