Efeitos imediatos da mobilização com movimento do quadril em pacientes com osteoartrose de quadril: Ensaio clínico randomizado.

Efeitos imediatos da mobilização com movimento do quadril em pacientes com osteoartrose de quadril: Ensaio clínico randomizado.


Original article
Immediate effects of hip mobilization with movement in patients with
hip osteoarthritis: A randomised controlled trial*

Carlos Beselga, Francisco Neto, Francisco Alburquerque-Sendín, Toby Hall, Natália Oliveira-Campelo.


Antecedentes: Mobilização com movimento (MWM) foi mostrado para reduzir a dor, aumentar a amplitude de movimento (ADM) e função física em uma gama de diferentes perturbações músculo-esqueléticas. Apesar desta evidência, há uma falta de estudos que avaliaram os efeitos da MWM para osteoartrite do quadril (OA).

Objetivos: Determinar os efeitos imediatos da MWM sobre a dor, ADM e desempenho funcional em pacientes com OA de quadril.

Design: estudo randomizado controlado com acompanhamento imediato.

Método: Quarenta consentidos pacientes (idade média de 78 ± 6 anos; 54% do sexo feminino) satisfizeram os critérios de elegibilidade. Todos os participantes completaram o estudo. Duas formas de técnicas MWM (n = 20) ou um MWM simulado (Sham) (n = 20) foram aplicados. Os desfechos primários: dor gravadas por escala numérica (NRS). Desfechos Secundários: flexão do quadril e ADM rotação interna e desempenho físico (cronometrado levantar e ir, sentar ficar de pé, e 40 m auto colocado teste de caminhada) foram avaliados antes e depois da intervenção.

Resultados: Para o grupo MWM, a dor diminuiu 2 pontos na NRS, flexão de quadril aumentou 12,2 graus , rotação interna de 4,4 graus, e testes funcionais também foram melhorados com efeitos clinicamente relevantes seguindo o MWM. Não houve mudanças significativas no grupo placebo para qualquer variável resultado.

CONCLUSÕES: A dor, ADM de flexão do quadril e desempenho físico melhorou imediatamente após a aplicação da MWM em pacientes idosos que sofrem AO de quadril. As mudanças imediatas observadas foram de relevância clínica. Estudos futuros são necessários para determinar os efeitos a longo prazo da intervenção.










Um forte abraço

Bons estudos.

Fellipe Amatuzzi Teixeira, Ft, Msc, D.O., PhD
Fisioterapeuta
Osteopata pela Escuela de Osteopatia de Madrid - EOM
Especialista em Osteopatia - UCB/RJ
Member of Scientific European Federation Osteopaths - SEFO
Mestre em Educação Física - UCB/DF
Doutor em Ciências e Tecnologias em Saúde - FCE/UnB

CURRICULUM LATTES 

Prof Fellipe Amatuzzi é osteopata DO pela EOM e professor do curso de Fisioterapia da Universidade de Brasília



É um interessado em estudos relacionando respostas vasculares e autonômicas frente ao tratamento osteopático e tratamento da dor crônica atuando no grupo de dor crônica do Hospital Universtário de Brasília – HUB/UnB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Precisamos nos atualizar sobre manipulações cervicais

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?