Questões metodológicas em ensaios clínicos de tratamento osteopático manipulativo

POST BASEADO NO ARTIGO:
Blinding Protocols, Treatment Credibility, and Expectancy: Methodologic Issues in Clinical Trials of Osteopathic Manipulative Treatment 

AUTORES:
John C. Licciardone , DO, MBA ; David P. Russo, DO, MPHFrom do Centro de Pesquisa Osteopática em Fort Worth, Tex, e da Universidade de North Texas Health Science Center em Fort Worth no Texas, Faculdade de Medicina Osteopática ( Licciardone ) e do Centro de Dor abrangente no Oregon Health & Science University (Russo), em Portland.

Questões metodológicas em ensaios clínicos de tratamento osteopático manipulativo


COMO FUNCIONA OS ENSAIOS CLÍNICOS EM OUTRAS ÁREAS:
No teste de um novo medicamento ou terapia experimental , o padrão-ouro na investigação biomédica para determinar a eficácia do tratamento é o estudo controlado randomizado ( RCT ) . 
Em estudos farmacêuticos, os placebos inertes são administradas facilmente um controle que facilita as comparações de forma cega . 

OS ENSAIOS CLÍNICOS EM OSTEOPATIA:
Em ensaios clínicos que estudam os efeitos de intervenções manuais, os pesquisadores devem considerar cuidadosamente o uso de modelos de controle de tratamento. Escolhendo controles confiáveis que irão minimizar viés no tratamento manipulativo osteopático ( OMT ) ensaios clínicos apresenta desafios únicos para os pesquisadores por causa de métodos OMT heterogêneas e prática.

ESTUDO PROPOSTO PELOS PESQUISADORES:

Comparar a credibilidade tratamento de tratamento manipulativo falso, controles não tratados e a OMT ativo.
Em outras palavras, saber se os pacientes sabiam diferenciar o que era um tratamento osteopático de um tratamento falso em relação a sua percepção

COMO FOI FEITO?
De forma interessante, os autores acompanharam um grupo de pacientes com dor lombar.
Cada grupo foi tratado de forma diferente, sendo que o primeiro grupo com a verdadeira OMT e o segundo com um sham (placebo) do tratamento manipulativo
Depois foi aplicada uma escala avaliação de credibilidade de tratamanto para  comparar as duas descrições escritas das intervenções de estudo oferecidas.

A escala foi administrada em indivíduos antes da entrada julgamento e em 6 meses de follow -up. As pontuações na escala foram utilizados para calcular índices de credibilidade para ambos os protocolos de intervenção ( ou seja , OMT vs sham tratamento manipulativo ) . Repetida a análise de medidas de variância foi utilizada para avaliar as mudanças na relação de credibilidade ao longo do tempo , incluindo a medição de grupo e tempo efeitos principais de estudo , bem como efeitos de interação tempo x grupo de estudo.

QUAL FOI O RESULTADO
Os indivíduos (n = 91) perceberam a OMT como uma opção terapêutica mais credível do que o tratamento manipulativo falso tanto na entrada do estudo quanto aos 6 meses de follow-up (p < 0,05 ). Entre os indivíduos que completaram o protocolo do estudo ( n = 66), não houve mudanças na credibilidade percebida das intervenções de estudo ao longo do tempo. 

PORTANTO,
Uma das grandes dificuldades em montagens de ensaios clínicos em osteopatia é a escolha de um bom recurso como placebo. 
A OMT pode ser percebida pelos sujeitos como uma alternativa de tratamento mais credível do que muitos procedimentos de controle. 
A credibilidade do tratamento pode interagir com as expectativas de assunto e desenho do estudo de formas complexas. 
Ao analisar os efeitos do tratamento da OMT, os investigadores devem considerar os efeitos destes dois elementos subjetivos quando as intervenções concorrentes são oferecidos e os sujeitos são convidados a dados de auto-relato. 
O desenho do estudo deve ser otimizado para equalizar esses efeitos entre as intervenções.

Cientificamente, quais seriam boas formas de sham (placebo) em osteopatia para um estudo ser considerado bom? Isso fica para o nosso próximo comentário....
Nos siga no Facebook

Sejam bem vindos

Fellipe Amatuzzi Teixeira, Ft, Msc, D.O.
Professor da Universidade de Brasília - UnB
Professor da Escuela de Osteopatia de Madrid - EOM
Doutorando em Ciências e Tecnologias em Saúde - UnB FCE

Prof Fellipe Amatuzzi é osteopata D.O. pela EOM/SEFO e professor do curso de Fisioterapia da Universidade de Brasília - UnB.
Participa como Pesquisador CnPQ Grupo de Pesquisa em Reabilitação Cardíaca da Universidade de Brasília - UnB
É um interessado em estudos relacionando a Osteopatia e o Sistema Nervoso Autonômico por meio da Variabilidade da Frequência Cardíaca


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.