De acordo com a prática clínica, sabemos encontrar C7 e L5?

O artigo ressalta a importância da palpação como método de diagnóstico e também na precisão das técnicas na área das terapias manuais e a importância de sua confiabilidade e validação para a ciência.

Title - Reliability and validity of a palpation technique for the spinous processes of C7 and L5.

Título - Confiabilidade e validação da técnica de palpação dos processos espinhosos de C7 e L5.

O artigo de hoje é do periódico Manual Therapy, uma revista indexada e com índice de impacto de 2,533 nos últimos cinco anos.

Autores - Robinson R, Robinson HS, Bjorke G, Kvale A


Na prática clínica os processos espinhosos de C7 e L5 servem como parâmetros importantes na palpação da coluna cervical e lombar, respectivamente.

Sujeitos - os participantes tinham 16 e 18 anos de prática clínica em terapias manuais e eram qualificados pela IFOMT (Internacional Federation of Ortopedic Manual Therapy).

Os pacientes se submeteram a RX lombar e cervical de acordo com a sua queixa. E foram avaliados pelos 2 sujeitos na mesma posição do RX, em decúbito lateral para a lombar e sentado para a cervical.

Foi utilizado uma caneta especial somente visível a luz negra para a marcação de modo que, um sujeito não conseguiu verificar os pontos marcados pelo anterior.

A graduação da confiabilidade era realizada de acordo com a largura em mm das marcações.

E a graduação da validade era realizada por meio de imã na marcação para comparação via RX.

O estudo foi realizado com um total de 49 pacientes sendo, 18 com queixas cervicais (C7) e 31 com queixas lombares (L5).

Não foi comprovada a validação da palpação interexaminadores por termos uma identificação correta de C7 em apenas 44% dos pacientes e em L5 em apenas 48%.

Não foi comprovada a confiabilidade nos Rx com os marcadores.




http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18793865

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alterações de Modic – a manipulação vertebral ajuda ou atrapalha?

Dor lombar crônica e disfunção somática - qual a correlação?

Terapia Craniosacral em Transtornos do Espectro do Autismo.